terça-feira, 21 de julho de 2009

A volta

Sabe o que me estranha em meu próprio blog? É que faço dele só rascunhos, quase nada publico...ou por medo de qualquer pessoa me entender, ou por medo do ridículo.
A vida anda correndo por aí em algum lugar, talvez nas fotos bonitas que se colocam na net, nas frases perfeitas, nos retoques das espinhas, no enfoque de uma luz bem feita...
E quando a gente percebe que a gente é osso e é carne, sem retoque, sem sorriso no rosto, a gente sofre. Sofre mesmo no meio daquelas fotos, daquelas gentes, tão amigas e as vezes distantes também.
Tem dias que a gente se sente rejeitado até pela moça da padaria, que sempre te atendia sorrindo. Tem dias que as 50 ligações no seu celular serão da LBV, da Editora Abril ou do Itau, te oferecendo serviços, vendendo bobagens, pedindo alguma contribuição.
Nestes dias acabo evitando o que gosto mais, talvez por que o melhor suco fica azedo, o doce mais gostoso, muito doce.
Este dia as vezes acontece dentro de um mês que tenha muita coisa boa acontecendo.
Os dias azuis com um tanto de trovoadas.
Há algum tempo eu ja sabia que algo em mim havia acabado, talvez por querer deixar tudo equilibrado, eu nao senti.
Talvez dure um dia, talvez um pouco mais.

domingo, 19 de julho de 2009

Preciso mudar as cores...

daltônicos não conseguem ler isto aqui.